loading...

Homem deixa esposa com 6 filhos – 3 meses depois, ela descobre uma incrível surpresa no carro da família

13 de setembro de 2018
1.88k
loading...

A vida nem sempre é um mar de rosas. Na verdade, na maioria das vezes é difícil e injusta.

Você pode não ter tido momentos difíceis ainda, mas pode ter certeza de que eles aparecerão mais cedo ou mais tarde. Ninguém passa a sua vida sem uma crise.

Durante esses períodos, apoio e amor são vitais. Eles são as únicas coisas que podem nos fortalecer e nos consolar no mais sombrio dos tempos.

Não importa se vem de sua família, amigos, animais de estimação ou até estranhos: Pequenos atos de gentileza sempre fazem uma grande diferença.

Ser deixada pelo seu marido para criar 6 filhos sozinha é, felizmente, algo raro. Dito isso, provavelmente há muitos de nós que foram deixados tristes por alguém que amamos.

Talvez seja por isso que essa história fictícia tenha atingido meu coração, porque eu realmente poderia me identificar com ela.

É a mensagem mais importante; a moral da história, algo que todos podemos aprender. Por favor, ajude-nos a espalhar esse conto ainda mais compartilhando-o.

Mãe sozinha

Setembro de 1960. Acordei uma manhã com seis crianças famintas e apenas US$ 1 no bolso. Meu marido – e o pai dos meus filhos – me deixou sem deixar vestígios.

Meus meninos tinham entre três meses e sete anos de idade – e a irmã deles, quatro anos.

Talvez não tenha sido uma coisa tão ruim. Ele nunca foi um bom pai – todos sentiam medo quando ele estava por perto. As crianças costumavam se esconder debaixo da cama quando ouviam o carro dele entrar na garagem. Porém, ele ganhava dinheiro a cada semana para que tivéssemos o suficiente para comprar comida.

Agora que ele decidiu sair, a raiva e a agressão certamente desapareceriam. Mas, a comida também.

Pode ter havido um sistema de bem-estar no país naquela época. Se houvesse, no entanto, eu não estava ciente disso.

Então, eu limpei as crianças para que elas parecessem agradáveis e vesti meu melhor vestido. Eu coloquei as crianças no velho e enferrujado Chevrolet 1951 e saí em busca de emprego.

Eu visitei todas as fábricas, lojas e restaurantes da nossa pequena cidade. Eu fui recebida sem sucesso.

Sempre que possível, as crianças esperavam no carro e permaneciam em silêncio enquanto eu tentava convencer os gerentes de que estava disposta a aprender qualquer coisa, fazer qualquer coisa. Eles só tinham que me dar uma chance.

Depois de tudo, no entanto, não havia vagas.

O último lugar que tentamos ficava a alguns quilômetros da cidade. Era um restaurante antigo que fora convertido em um café. Era chamado de “Big Wheel”.

Uma velha – todos a conheciam como “avó” – era a dona do lugar. Ela olhou desconfiada pela janela quando chegamos.

Acontece que ela precisava de alguém para cobrir o turno da noite, das 23h às 7h.

Ela pagava cerca de US$ 5,40 por hora e estava disposta a me deixar começar imediatamente.

Eu literalmente corri para casa e liguei para a adolescente que morava na nossa rua. Ela tinha sido babá para nós antes, e combinamos que ela poderia dormir no meu sofá por US$ 18 por noite, desde que ela tivesse a certeza que as crianças foram para a cama.

Ela concordou e a questão das crianças deixara de ser um problema. Naquela noite, quando as crianças estavam se preparando para ir para a cama, agradeci aos céus por me darem um jeito de ganhar a vida.

Então comecei a trabalhar no “Big Wheel”. Quando cheguei em casa na manhã seguinte, acordei a babá e a mandei para casa com seu salário. O que era cerca de metade do que ganhava por dia.

Com o passar das semanas, os custos de aquecimento aumentaram. Vivíamos no limite e, além disso, os pneus do nosso antigo Chevvy estavam extremamente gastos. Eu tinha que encher os pneus no meu caminho para o trabalho, e depois novamente quando voltava para casa.

Presente estranho

Numa manhã particularmente sombria de outono, fui ao meu carro para voltar para para casa e encontrei quatro pneus novos no banco de trás. Novos em folha! Não havia mensagem ou bilhete. Não havia mais nada no carro. Nada além de quatro novos pneus novos.

“Existem realmente anjos em nossa cidade?”, Perguntei a mim mesma.

Eu parei no posto de gasolina local. Em troca da montagem dos novos pneus, eu limparia o escritório do gerente. Lembro que demorei muito mais tempo para esfregar o chão que a empresa para trocar os pneus.

Durante esse período, eu trabalhava seis noites por semana em vez de cinco, mas as finanças ainda eram um problema. O Natal se aproximava rapidamente e eu sabia que não haveria dinheiro para presentes para as crianças. Eu encontrei uma lata de tinta vermelha e comecei a consertar e repintar brinquedos antigos que eu pretendia refazer como novos. Eu escondi os brinquedos no porão, para que o Papai Noel pudesse “entregá-los” no dia de Natal.

Roupas para as crianças também começaram a se tornar uma preocupação. Tentava consertar as calças dos meninos, mas era apenas uma questão de tempo até que eles estivessem danificadas para além da minha capacidade de remendá-las.

Eu trabalhei na noite de véspera de Natal e os clientes de sempre tomavam seus cafés no “Big Wheel”. Havia caminhoneiros  – Leif, Frank e Jim – e também Joe, o oficial de trânsito.

Alguns músicos chegaram depois de se apresentar em um lugar próximo. Eles passaram a maior parte do tempo jogando na nossa mesa de pinball.

Quando chegou a hora de eu ir para casa às 7:00, na manhã do dia de Natal, vi que havia vários pacotes em meu velho Chevvy. Estava cheio de caixas, na verdade.

Eu rapidamente abri a porta e comecei a ver o que eram essas coisas no banco de trás. Quando abri a primeira caixa, estava cheia de calças jeans de todos os tamanhos diferentes para crianças. Abri outra caixa, esta cheia de camisas e suéteres.

Então eu olhei em algumas das outras caixas.

Doces, nozes, frutas … sacos de comida. Havia um grande tender de Natal, legumes enlatados, batatas. Havia pudins, bolos, tortas e farinha. Havia materiais para higiene pessoal e produtos de limpeza.

Então, no último pacote, encontrei cinco carros de brinquedo e uma bonequinha linda…

Enquanto dirigia para casa pelas ruas vazias, o sol subia lentamente pela cidade, chorei de gratidão. Jamais esquecerei os rostos de meus preciosos tesouros naquela manhã, enquanto eles ganhavam seus presentes.

Sim, havia anjos vivendo em nossa pequena cidade há muito tempo em dezembro de 1960.

Eles só passaram seu tempo no café “Big Wheels”.

Não se esqueça de clicar no botão COMPARTILHAR e CURTIR se você se emocionou com essa linda história!

loading...
loading...