Atlético-MG poderá ser punido por grito homofóbico que cita Bolsonaro

STJD estuda imagens e aguarda o recebimento da súmula da partida, apitada por Rafael Traci (PR), para fazer uma possível denúncia

há um ano Editado há um ano
938

Os gritos homofóbicos em que parte da torcida do Atlético-MG cita o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) para provocar os torcedores do Cruzeiro no Mineirão, na tarde desse domingo (16), podem causar punição ao próprio clube. Ciente do ocorrido, a Procuradoria-Geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) garante que "o fato não passará em branco".

O órgão ainda estuda imagens e aguarda o recebimento da súmula da partida, apitada por Rafael Traci (PR), para fazer uma possível denúncia sobre o caso.

Na ocasião, durante o intervalo do clássico válido pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro, alguns torcedores provocaram os rivais com um grito homofóbico: "Cruzeirense, toma cuidado, o Bolsonaro vai matar veado".

Não há um artigo do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) que estabeleça punições por homofobia. No entanto, a própria Procuradoria-Geral avalia a possibilidade de enquadrar o fato em outro artigo.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da Procuradoria-Geral do STJD se pronunciou sobre o fato."Já estamos cientes do ocorrido. A Procuradoria repudia o fato e afirma que o caso não vai passar em branco. As imagens e súmula serão analisadas para saber exatamente qual o artigo em que será enquadrado. É necessário aguardar o recebimento da súmula para análise e liberação da possível denúncia", informou.

Em caso de oferecimento de denúncia, o clube seria o alvo da Procuradoria-Geral do STJD. O fato se dá, porque os torcedores, mesmo identificados, não são jurisdicionados no órgão. Neste caso, é o Atlético quem responde pela conduta de seus torcedores.

Vale lembrar que, na noite de domingo (16), o Atlético-MG se manifestou sobre o fato e repudiou a atitude daqueles que entoaram o cântico nas cadeiras do Mineirão.

"O CAM (Clube Atlético Mineiro) lamenta profundamente as manifestações homofóbicas de parte dos torcedores, no jogo deste domingo, no Mineirão. Reiteramos nosso repúdio a quaisquer gestos de preconceito ou de incitação à violência. A maior torcida de Minas é composta por pessoas de todas as classes sociais, raças e gêneros, não cabendo qualquer tipo de discriminação. Isso não faz parte da nossa gloriosa história", escreveu o clube. Com informações da Folhapress.